Quanto pagamos de Imposto:

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM

Visite o blog:  NOTÍCIAS PONTO COM
SOMENTE CLICAR NO BANNER -- JORNAL PONTO COM **

PENSE NISSO:

PENSE NISSO:

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Projeto: Hora de comer!

Projeto: Hora de comer!


Autora: Karla Wanessa Carvalho de Almeida


Apresentação:
                           Baseada no princípio de uma alimentação saudável e balanceada, na preocupação da família e da escola este projeto visa uma reeducação alimentar das crianças da Educação Infantil do Conselho Escolar Creche Vivendo a Infância.

Problematização:
                             Observações realizadas pelas professoras durante o momento do lanche deram conta que as crianças do Conselho Escolar Creche Vivendo a Infância compunham seus lanches basicamente de: salgadinho, refrigerante, pipoca, chocolate, e outros componentes da indústria alimentícia de guloseimas. Inquietas com este fato, a escola lançou-se na busca por proposições de mudanças. Assim, surgiu o projeto hora de comer! Que aborda a temática “alimentação saudável”, visando proporcionar a essas crianças uma alimentação adequada, visto ser fundamental para garantir um bom desenvolvimento físico e cognitivo.Pois, ensinar às crianças a importância de uma alimentação equilibrada é o caminho para que elas saibam fazer boas escolhas alimentares.

Justificativa:e que a obesidade infanto-juvenil tenha aumentado
                            Sistematicamente os lares são invadidos por guloseimas gerando hábitos inadequados de alimentação, são salgadinhos que tomam o lugar do arroz e feijão, o chiclete se impõe as frutas e assim sucessivamente. Essa ocorrência gera enorme preocupação com a alimentação, e é um dos problemas que mais instiga preocupação nos pais, educadores e no serviço de saúde. Estima-se que a obesidade infanto-juvenil tenha aumentado 240% nas últimas décadas (TALAMONI, 2005). Os gastos dos SUS com doenças provenientes de uma má alimentação aumentaram 70%  apresentando uma crescente estatística de crianças com osteoporose por causa do refrigerante.
                            Neste contexto, a temática alimentação saudável é requerida desde a mais terna idade, por isso, a Educação Infantil, desempenha papel fundamental na formação de valores, hábitos e estilos de vida, entre eles o da alimentação. Assim, este projeto versa sobre uma reorganização alimentar na mesa dos pequenos munícipes jaquerenses. Portanto, para que a instituição escolar seja e promova estabelecimentos de promoção da alimentação saudável é necessária à criação de um elo com a família e o serviço de saúde, para juntos combaterem alimentos industrializados nocivos à saúde se consumidos continuamente.
                            Por isso, o projeto baliza suas ações na tríade: ações de estímulo à adoção de hábitos alimentares saudáveis, ações de apoio à adoção de práticas saudáveis por meio da oferta de uma alimentação nutricionalmente equilibrada no ambiente escolar e ações de proteção à alimentação saudável, por meio de medidas conjuntas com pais e serviços de saúde.
Duração: 5 meses
Público-alvo: Crianças entre 1 a 4 anos
Objetivo Geral:
Ø  Promover o consumo de alimentos saudáveis, principalmente legumes, frutas e verduras, imbuindo uma consciência de sua contribuição para a promoção da saúde.
Objetivos específicos:
Ø  Promover o consumo de frutas, legumes e verduras;
Ø  Reconhecer alimentos nutritivos e promissores de saúde;
Ø  Identificar cores, textura e sabores dos diferentes alimentos;
Ø  Reconhecer e diferenciar frutas, legumes, raízes e sua importância para a saúde;
Ø  Pesquisar e registrar sobre a alimentação da família;
Ø  Valorizar o momento reservado à alimentação;
Ø  Diferenciar quais as partes dos alimentos que ingerimos (raiz, folhas e frutos)

Fundamentação teórica:
                            O mundo contemporâneo caracteriza-se por uma transição nutricional que multiplicou nos últimos anos doenças relacionada à desnutrição e a deficiências por micronutrientes. Esse cenário é resultado de mudanças econômicas, sociais e demográficas ocorridas decorrentes a modernização e urbanização que modificou o estilo de vida das populações.
                            Neste interím, o conceito de saúde ampliou-se nos últimos anos e a temática Alimentação Saudável tem se tornado uma preocupação mundial, o que tem perpetrado inúmeros debates no âmbito da saúde e educação, gerando politicas públicas, pautados no princípio da participação social. Têm-se como exemplo, a aprovação de um projeto- lei da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados, onde obriga creches, pré-escolas e instituições de Ensino Fundamental, a comercializar apenas alimentos saudáveis.
                            Esses postulados originaram uma gama de discussões, tendo como pano de fundo a escola como espaço dinâmico de múltiplas aprendizagens, balizados neste preceito os Ministérios da Saúde e Educação instituíram a portaria interministerial nº 1.010 com Diretrizes para Promoção da Alimentação Saudável nas Redes Públicas e Privadas, bem como, o Programa de Saúde na Escola instituído pelo decreto Presidencial nº 6.286/2007. Ambos vislumbrando apromoção de uma educação alimentar saudável e nutricional, com bases comportamentais desenvolvidas no seio familiar e escolar.
                             Assim, consciente sobre a relevância do mesmo, o campo de ação da prática pedagógica escolar permitirá o reconhecimento que a alimentação é uma parte vital da cultura do indivíduo e leva em conta as práticas, costumes, tradições e exigem medidas na disponibilidade de acesso físico e financeiro aos alimentos, bem como o resgate de hábitos alimentares regionais salubres as crianças:
 “A alimentação saudável precisa ter como enfoque principal o resgate de hábitos alimentares regionais, estimulando o consumo de alimentos in natura, produzidos em nível local, integrados à cultura da região e de alto valor nutritivo, como frutas, legumes e verduras, grãos integrais, leguminosas, sementes e castanhas, além de ser fundamental a higiene na sua produção, da produção ao consumo”. (Manual das cantinas escolares saudáveis: promovendo a alimentação saudável, pag. 19.)
                            Promover a alimentação saudável na escola, na perspectiva do direito humano, é melhorar os padrões de saúde e cidadania. Por isso, a intersetoridade visa o fortalecimento de um novo modelo de atenção de práticas de saúde, estabelecendo a sala de aula como espaço dialógico, mobilizante e fortalecedor da comunidade.
                            Deste modo, o currículo deve ser compreendido como mecanismo pelo qual o conhecimento é distribuído socialmente, ou seja, expressa a função socializadora da escola, sendo elemento orientador da prática pedagógica (MOTA: AGUIR, 2007). Esse pressuposto de currículo espiral, onde as temáticas são abordadas com aprofundamento garantem a concretude dos objetivos de aprendizagens estabelecidas na reeducação alimentar.
                            Por conseguinte, a Secretaria Distrital da Saúde de Santa Fé de Bogotá, 1997 apud Pelicioni: Torres, 1999 coloca que a escola saudável precisa, ser entendida como um espaço vital gerador de autonomia, participação crítica e criatividade, dado a possibilidades de desenvolver suas potencialidades físicas e intelectuais. E para isso se faz necessário uniformidade na instrução e no manuseio de recursos e estratégias da realidade cultural, com vista a desencadear relações mútuas entre instituição, unidade de saúde e família na busca de qualidade de vida.

Atividades Interdisciplinares realizadas com os pais
ü  Levantamento de conhecimentos prévios em roda de conversa
ü  Montagem de um prato que represente uma alimentação saudável através de recorte e colagem
ü  Identificação dos alimentos mais consumidos na família: questionário com múltiplas escolhas em marcação de X
ü  Palestra com nutricionista:
ü  Organização de um mural na creche com dicas de saúde mandadas pelos pais;
ü  Promoção de concursos de lanches saudáveis para oferecimento aos filhos;
ü  Dia da Saúde da Família- Ação conjunta do PSF do bairro (dia com atividades educativas e recreativas sobre saúde e diagnóstico clínico e nutricional)
Atividades Interdisciplinares realizadas com as crianças (procedimentos/ações metodológicas)
§  Levantamento do conhecimento prévio das crianças por meio de uma roda de conversa e leitura de imagens de alimentos;
§  Visitar uma feira;       
§  Pesquisa sobre os lanches que os alunos trouxeram em cartaz:
Ex.:
LANCHE
QUANTIDADE






§  Trabalho com a música: “eu sou forte”
EU SOU FORTE, FORTE, FORTE,
DE MARRE, MARRE, MARRE,
COMO FRUTAS E VERDURAS,
TOMO LEITE COM CAFÉ.
§  Experimentos: observação da transformação dos alimentos em outros- frutas/sucos, frutas/vitaminas, etc.,
§  Confecção de listas tendo a professora como escriba: alimentos ingeridos no café da manhã/ lanche/almoço/ janta.
Ex.: O QUE COMEMOS NO:
CAFÉ DA MANHÃ
ALMOÇO
JANTAR



§  Construção de uma pirâmide alimentar
§  Produção de salada de fruta e sala de folhas;
§  Preparo de sopa utilizando os alimentos estudados;
§  Seleção de alimentos conforme a categoria: frutas, legumes, verduras, grãos, etc.
§  Contagem e formação de grupos  frutos de alimentos por cores, tamanho, etc.;
Ex.:VERDE
Alface                                                   colar desenho
Pera
Maçã
Uva
§  Confecção de carimbos com batata, chuchu, cenoura, etc.;
§  Confecção de mural com rótulos de alimentos industrializados por segmento: limpeza, comida, frutas e verduras, guloseimas, etc.;
§  Confecção de um alfabeto com rótulos;
§  Construção de jogo da memória a partir de imagens de frutas, verduras e legumes recortadas pelos alunos;
§  Identificação de frutas, verduras e legumes através do olfato e tato, utilizando a caixa surpresa;
§  Montagem de horta com garrafas ( com terra/ e com água) peti e sementes de hortaliças;
§  Degustação de alimentos frutas, verduras e legumes;
§  Montagem de gráficos alimentos da degustação que a sala mais gostou/ pode ser também por menina e menino;
§  Montagem de cartazes com alimentos saudáveis e não saudáveis;
§  Apresentação em teatro de fantoche da história:
§  Piquenique coletivo;
§  Confecção de artes com material recicláveis;
§  Confecção de álbum de frutas, verduras e legumes;

Produto Final:
                            Confecção de livro de registro com fotos, ilustrações, depoimentos realizados em cada atividade realizada com os pais e as crianças para exposição à comunidade.

Avaliação:
                           A avaliação ocorrerá em todos os momentos vivenciados ao longo do projeto, tanto individuais, quanto coletivos. Realizando-se através da observação, participação, interesse, motivação e entusiasmo das crianças em relação às atividades propostas, e principalmente na demonstração de mudança de hábitos alimentares por meio da ingestão de frutas, legumes e verduras, dentro e fora da instituição educativa.

Cronograma:
Atividades Realizadas
Jul.
Ago.
Set.
Out.
Nov.
Dez.
·         Conversas sobre o tema e Construção do Projeto

X





·         Lançamento do Projeto: evento com Pais e alunos.


X




·         Estabelecimento de nova categoria de lanche: frutas.


X




·         Roda de conversa e leitura de imagens
·         Pesquisa sobre os lanches trazidos;
·         Visita a uma feira livre;
·         Seleção de alimentos por categoria: fruta/legumes/verduras;
·         Contagem e formação de grupos de alimentos por: cor e tamanho;




X




·         Construção de jogo da memória a partir de imagens de frutas, verduras e legumes;
·         Produção de lista com alimentos ingeridos: café da manhã, almoço e janta;
·         Trabalho com parodia da música Eu sou forte;
·         Experimentos: transformações de alimentos em outros: suco e vitaminas;








X



·         Produção de salada de fruta e de folhas, bem como sopa;
·         Confecção de um alfabeto com rótulos;
·         Piquinique coletivo;
·         Montagem de cartazes com alimentos saudáveis e não saudáveis;
·         Confecção de álbum de figurinhas de frutas/legumes/verduras;
·         Construção de uma pirâmide Alimentar;








X


·         Identificação de frutas, legumes e verduras em caixa surpresa por meio do tato, olfato e paladar;
·         Apresentação de teatro de fantoche;
·         Confecção de carimbos com bata, chuchu, cenoura;
·         Degustação de Alimentos;
·         Montagem de gráfico alimento que mais gostou na degustação;
·         Confecção de mural com rótulos por segmento: limpeza, frutas, legume, etc.









X

·         Confecção de artes com recicláveis;
·         Montagem da horta em peti;
·         Mostra do Projeto







X

Referências:
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual das cantinas escolares saudáveis: promovendo a alimentação saudável / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010. 56 p.: il. color. – (Série B. Textos Básicos de Saúde).
Brasil. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Ministério da Educação e Desporto. Brasília, 1998
Coleção Novos Caminhos: Formação Continuada na sala de aula. São Paulo: DCL 2006
HOFFMANN, Jussara. Avaliação na pré-escola: um olhar reflexivo sobre a criança. Cadernos Educação Infantil: Mediação, 2000.
MARTINS, Rosicler. Vida e Alimento. São Paulo: Moderna, 1993.
Projeto Alimentação Saudável. Disponível em: http://www.csajaboticabal.org.br/educacaoInfantil/23/Infantil-I-T1-e-T2-Alimento-Saudavel.html
Revista Cozinha Prática. Publicação editada pela parceria Instituto do Coração e Edições Cozinha Saudável



Anexos






































http://karlawanessa.blogspot.com.br/2014/08/projeto-hora-de-comer.html
Postar um comentário