Quanto pagamos de Imposto:

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM

Visite o blog:  NOTÍCIAS PONTO COM
SOMENTE CLICAR NO BANNER -- JORNAL PONTO COM **

PENSE NISSO:

PENSE NISSO:

sexta-feira, 23 de maio de 2014

LINHAS E COLUNAS COM FULECO/ MATEMÁTICA - 1º ANO/ 2º ANO.


Este tipo de atividade possibilita o aluno a trabalhar organização de ideias, percepção visual e principalmente análise, estimulando a concentração.


http://www.amorensina.com/2014/05/linhas-e-colunas-com-fuleco-matematica.html

COPA DO MUNDO, PAIXÃO E EDUCAÇÃO - 4º ANO.

Este é um texto simples, para divertir, refletir e discutir sobre a temática que envolve a nação no momento.
As atividades incitam à reflexão sobre a Educação no Brasil. E o momento é propício para promover esta discussão em sala de aula.
Um forte abraço!


http://www.amorensina.com/2014/05/copa-do-mundo-paixao-e-educacao-4-ano.html

A BOLA - POEMA E ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES - 1º ANO / 2º ANO.

A bola é um poema simples, divertido e que estimula o imaginário da criança. 
O mesmo proporciona, também, o trabalho com formas geométricas podendo associar ao contexto atual.
Espero que as crianças gostem!
Beijos e bom trabalho!



http://www.amorensina.com/2014/05/a-bola-poema-e-atividades.html

COPA DO MUNDO: RACHANDO A CUCA - DESAFIO, TRABALHANDO HABILIDADES / 4º ANO - 5º ANO.

Observe que numa simples atividade os alunos irão trabalhar várias habilidades, pois a mesma, além dos cálculos, exige atenção, concentração e agilidade.
Espero que eles gostem!
Beijos e bom trabalho!

http://www.amorensina.com/2014/05/rachando-cuca-desafio-trabalhando.html

A BOLA DE FUTEBOL! INTERPRETAÇÃO E ORTOGRAFIA "RR" / DOIS TIPOS DE LETRAS/ 1º E 2º ANO.









http://www.amorensina.com/2014/05/a-bola-de-futebol-interpretacao-e.html

COPA DO MUNDO - OBSERVANDO E ANOTANDO - 1º ANO.

http://www.amorensina.com/2014/05/observando-e-anotando-1-ano.html

NARRANDO A REALIDADE - COPA DO MUNDO/ TEXTO E INTERPRETAÇÃO- 5º E 6º ANO.

Professor(a)
Atualmente, todos os olhares estão voltados para o Brasil. Estamos num momento propício para chamar a atenção aos problemas que assolam o povo brasileiro.
Porém, o bom senso tem que ser a mola mestra de tudo isso, para que não haja distorção dos valores morais. E como Educadores, temos o dever de levar aos nossos alunos o conhecimento da realidade e também direcioná-los de modo que sejam estimulados a pensar, criticar, lutar por seus direitos e acima de tudo, que sejam conhecedores de seus deveres como cidadãos.
Abraços fraternos!
http://www.amorensina.com/2014/05/narrando-realidade-copa-do-mundo-texto.html

DESAFIANDO VOCÊ COM OS JOGADORES - MATEMÁTICA - 3º ANO.

Os desafios oferecem aos alunos:
- momentos de concentração e criatividade;
- atividade lúdica e desafiadora;
- oportunidades para o desenvolvimento do pensamento;
- estímulo do raciocínio.
Respostas:
9
10
1
3
6
2
http://www.amorensina.com/2014/05/desafiando-voce-com-os-jogadores.html

TATU EM ÉPOCA DE COPA! 2º PERÍODO / 1º ANO.


A Copa do Mundo e nossos pequeninos!

http://www.amorensina.com/2014/05/tatu-em-epoca-de-copa-2-periodo-1-ano.html

MARCANDO GOL COM OS FATOS / 3º ANO - 4º ANO - 5º ANO.

MARCANDO GOL COM OS FATOS / 3º ANO - 4º ANO - 5º ANO
Fonte: http://www.amorensina.com/2014/05/marcando-gol-com-os-fatos-3-ano-4-ano-5.html

Centros de Treinamento de Seleções: a Copa além das 12 sedes.

Centros de Treinamento de Seleções: a Copa além das 12 sedes

Doze é o número oficial de sedes brasileiras na Copa do Mundo, mas os benefícios econômicos, culturais, esportivos e sociais do megaevento transcendem as capitais que receberão os jogos. A partir da divulgação oficial dos Centros de Treinamento de Seleções (CTS) das 32 equipes, o torneio estende sua influência pelo interior de São Paulo, chega a três cidades baianas além de Salvador, inclui Sergipe, Alagoas e Espírito Santo no mapa do Mundial, e mobiliza torcedores e empresários em Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná e Rio de Janeiro. Os CTS são compostos por um local de treinamento e um hotel oficial, ambos localizados próximos a um aeroporto.

"Temos um programa de nacionalização da Copa e das Olimpíadas, para dividir de forma mais equânime os benefícios dos grandes eventos. Os Centros de Treinamento constituem uma oportunidade de redistribuição desses benefícios. Eles são um elemento importante da organização e da preparação. A impressão que o país causará nas delegações e nos visitantes está ligada às condições dos centros escolhidos”, afirmou o ministro do Esporte, Aldo Rebelo.

O ministro do Esporte iniciou uma série de visitas aos locais que receberão os principais astros do futebol mundial. A primeira parada foi no CT do São Paulo, na capital paulista, que receberá a delegação dos Estados Unidos.

A série de incursões teve passagens por Campinas, Curitiba, Porto Alegre e por outras cidades do interior de São Paulo. Campinas, por exemplo, a seleção do melhor jogador do mundo: Portugal, de Cristiano Ronaldo, usará as dependências da Ponte Preta na preparação para os três primeiros jogos do Grupo G da primeira fase, diante de Alemanha, Gana e Estados Unidos.

A Nigéria, por sua vez, pretende treinar para os confrontos do Grupo F (ao lado de Argentina, Bósnia e Irã) na estrutura do Guarani. A Espanha usará o moderno CT do Caju, do Atlético Paranaense, em Curitiba. E o Equador fincará raízes em Viamão (RS)

"O que toda seleção quer é chegar num local com um campo de treinamento maravilhoso, com a grama ótima, de qualidade, que tenha segurança e conforto. Por isso é importante para nosso país que a gente tenha essa quantidade de CTS. Era uma lacuna que faltava no futebol brasileiro", afirmou Carlos Alberto Parreira, coordenador técnico da Seleção Brasileira.

» Confira na lista de CTS (abaixo) os detalhes de cada local:

América do Sul

Uruguai – Sete Lagoas (MG)
América do Norte, Central e Caribe

Ásia/Oceania

Europa

Alemanha – Santa de Cruz de Cabrália (BA)
Croácia – Mata de São João (BA)
Suíça – Porto Seguro (BA)
África


http://www.copa2014.gov.br/pt-br/copa/cts

HISTÓRIA DAS COPAS - 2010. * A Espanha, enfim, chega lá A primeira Copa do Mundo em solo africano também contou com um campeão inédito. Depois de boas campanhas que invariavelmente acabavam frustradas em Mundiais, a Espanha enfim pode comemorar o título e entrar para o seleto grupo de campeões da Copa. Em 19 edições do torneio, apenas oito seleções conseguiram chegar ao topo: Brasil, Argentina, Uruguai, Itália, Alemanha, Inglaterra, França e Espanha.

HISTÓRIA DAS COPAS - 2010

A Espanha, enfim, chega lá
A primeira Copa do Mundo em solo africano também contou com um campeão inédito. Depois de boas campanhas que invariavelmente acabavam frustradas em Mundiais, a Espanha enfim pode comemorar o título e entrar para o seleto grupo de campeões da Copa. Em 19 edições do torneio, apenas oito seleções conseguiram chegar ao topo: Brasil, Argentina, Uruguai, Itália, Alemanha, Inglaterra, França e Espanha.

A Fúria, como é conhecida a seleção espanhola, se tornou o primeiro time a conseguir vencer a Copa depois de perder a partida de estreia. Com uma equipe mesclada entre jogadores do Barcelona e do Real Madrid, dois dos maiores times do planeta, os espanhóis chegaram à África do Sul como um dos favoritos. Mas, logo na primeira partida, amargaram uma inesperada derrota para a Suíça.

Muitos colocaram o time espanhol em xeque, mas, aos poucos, a Fúria foi se ajeitando. Ainda na primeira fase, vitórias sobre Honduras e Chile garantiram a classificação para a segunda fase. Nas oitavas de final, um adversário duro: o vizinho Portugal. O clássico ibérico foi bastante equilibrado, mas um gol de David Villa colocou os espanhóis nas quartas de final.

O Paraguai e seu sempre complicado sistema defensivo foram os adversários seguintes. E, novamente, coube a David Villa se tornar o herói da partida, dessa vez com um gol marcado a sete minutos do fim do tempo regulamentar.

Na semifinal, os espanhóis pegaram os alemães. A rejuvenescida seleção germânica foi a maior sensação do Mundial. Com jogadores habilidosos como Mesut Özil Bastian Schweinsteiger e Thomas Müller ao lado dos veteranos Lukas Podolski e Miroslav Klose, o time treinado por Joachim Löw mostrou uma velocidade impressionante e deu show nos gramados sul-africanos. Antes de enfrentar a Espanha, os alemães fizeram 4 x 1 na Inglaterra, nas oitavas, e 4 x 0 na Argentina, nas quartas. Mas a Fúria não se intimidou. De novo, os espanhóis precisaram apenas de um gol para avançar. Dessa vez, o herói foi o defensor Carles Puyol.

A Espanha chegava a uma final de Copa do Mundo pela primeira vez em sua história. Do outro lado, a Holanda. Ou seja, a primeira Copa em solo africano teria também um campeão inédito, qualquer que fosse o resultado do jogo. Os holandeses também chegaram com moral, já que tinham eliminado o Brasil, nas quartas de final, e o surpreendente Uruguai, na semi. Mas era a vez da Espanha. E, depois de um 0 x 0 no tempo regulamentar, o craque Andres Iniesta, do Barcelona, fez o gol mais importante da história do futebol espanhol. As ruas da Espanha foram tomadas pela torcida enlouquecida e o futebol de toque de bola idealizado pelo técnico Vicente Del Bosque, inspirado no próprio Barcelona, virou referência em todo o planeta.
A ressurreição da Celeste

Bicampeã mundial na primeira metade do século passado, a seleção do Uruguai penou no fim do século 20 e início do século 21. Na América do Sul, passou a ser a terceira força, atrás de Brasil e Argentina. Às vezes, nem isso. Mas a excelente campanha no Mundial de 2010 simbolizou o resgate do futebol uruguaio. Liderada por Diego Forlán, a seleção celeste se classificou em um grupo que tinha França, a anfitriã África do Sul e o México. Depois, ainda despachou a Coreia do Sul e Gana até ser eliminada pela Holanda na semifinal. O quarto lugar foi o melhor resultado do Uruguai desde a Copa de 1970.

Outra surpresa foram os eslovacos. Na primeira participação em uma Copa como país independente, a Eslováquia conseguiu se classificar para a segunda fase, batendo a Itália no último jogo da etapa de grupos e obrigando a Azzurra a dar adeus ao Mundial. Nas oitavas de final, no entanto, os eslovacos acabaram eliminados, com uma derrota para a Holanda.
Segundo tempo fatal

Depois da preparação excessivamente festiva e o consequente fracasso em 2006, Dunga foi escolhido para ser o treinador do Brasil no ciclo para a Copa de 2010. Tetracampeão em 1994 e com fama de disciplinador, o gaúcho não tinha experiência como técnico, mas conseguiu uma série de resultados positivos antes de embarcar para a África do Sul. Sob o comando de Dunga, a Seleção Brasileira venceu a Copa América de 2007 e a Copa das Confederações de 2009.

O treinador formou um grupo de jogadores de sua confiança e conseguiu colocar o Brasil mais uma vez como favorito. Tudo deu certo até o segundo tempo das quartas de final. Na primeira fase, o Brasil ganhou da Coreia do Norte e da Costa do Marfim, além de ter empatado com Portugal. Classificado em primeiro do grupo, enfrentou o Chile nas oitavas de final. Resultado: vitória tranquila por 3 x 0.

Contra a Holanda, a Seleção Brasileira fez um primeiro tempo quase perfeito e foi para o intervalo vencendo por 1 x 0, gol de Robinho com passe de Felipe Melo. Ninguém poderia imaginar o que viria no segundo tempo. A Holanda empatou já aos sete minutos. A zaga falhou, o goleiro Julio Cesar saiu mal e a bola, que tinha sido cruzada por Wesley Sneijder, desviou de leve em Felipe Melo antes de entrar.

Desestabilizado, o Brasil se perdeu em campo e viu a Holanda virar. Dessa vez, Kuyt desviou uma cobrança de escanteio e a bola caiu na cabeça do baixinho Sneijder, que só mandou para as redes. A situação ainda piorou quando, descontrolado, Felipe Melo fez falta e deu um pisão em Robben, recebendo o cartão vermelho. Uma melancólica despedida para o Brasil.

HISTÓRIA DAS COPAS - 2006. * O tetra da Azzurra no dia que Zidane perdeu a cabeça Ícone da conquista francesa em 1998, Zinedine Zidane também marcou a Copa do Mundo de 2006, disputada na Alemanha. Mas, dessa vez, a imagem que o francês passou ao mundo foi negativa. O craque conseguiu levar a França a outra final de Mundial.

HISTÓRIA DAS COPAS - 2006
O tetra da Azzurra no dia que Zidane perdeu a cabeça

Ícone da conquista francesa em 1998, Zinedine Zidane também marcou a Copa do Mundo de 2006, disputada na Alemanha. Mas, dessa vez, a imagem que o francês passou ao mundo foi negativa. O craque conseguiu levar a França a outra final de Mundial. Mas em vez de se consagrar definitivamente, Zidane acabou perdendo a cabeça: caiu na provocação do italiano Marco Materazzi, agrediu-o e acabou expulso no seu último jogo em Copas. No fim, a Itália venceu nos pênaltis e comemorou o tetracampeonato. 

A conquista foi uma consagração do sistema defensivo dos italianos. A Azzurra terminou a Copa com apenas dois gols sofridos, a melhor marca da história dos Mundiais. Não à toa, o zagueiro e capitão Fabio Cannavaro foi eleito pela FIFA como o melhor jogador do mundo em 2006. Mas ele teve a ajuda de nomes como o goleiro Gianluigi Buffon, os volantes Andrea Pirlo e Gennaro Gattuso, e os laterais Gianluca Zambrotta e Fabio Grosso, além do controverso Materazzi.

Sob o comando do técnico Marcello Lippi, a Itália mais uma vez provou que nunca pode ser menosprezada. Exatamente como em 1982, quando foi tricampeã, a Azzurra chegou à Alemanha ainda se refazendo de um escândalo de manipulação de resultados na loteria esportiva do país. Em vez de minar as energias do grupo, no entanto, os problemas uniram ainda mais os jogadores e, no fim, quando Cannavaro levantou a taça, a força do conjunto parecia estampada em seu sorriso. 

Na primeira fase, os italianos não tiveram muitas dificuldades. Foram duas vitórias, sobre Gana e República Tcheca, e um empate diante dos Estados Unidos. Nas oitavas de final, um jogo duro contra a Austrália, mas o meia Francesco Totti salvou a pátria ao marcar, de pênalti, já nos acréscimos da partida. Diante da Ucrânia, nas quartas de final, os italianos fizeram 3 x 0, sem grandes problemas, e eliminaram a última zebra do torneio.

Uma pedreira apareceu no meio do caminho da Itália na semifinal. O adversário era a Alemanha, dona da casa, treinada por Jürgen Klinsmann e que conquistara a torcida jogando um futebol envolvente. O jogo foi duro e o 0 x 0 perdurou no tempo regulamentar. Mas, na prorrogação, coube a Fabio Grosso abrir o placar. E Del Piero marcou o segundo dos italianos, acabando com o sonho alemão. 

A Alemanha ainda chegaria ao terceiro lugar, vencendo Portugal, e terminaria a Copa com o melhor ataque da competição, com 14 gols. Miroslav Klose se tornou o artilheiro ao marcar cinco vezes. Os números da Copa também mostraram que os alemães cumpriram muito bem o desafio de organizar o Mundial pela segunda vez. No total, 3.359.439 torcedores compareceram aos 12 estádios. A audiência no mundo inteiro foi estimada em mais de 30 bilhões de espectadores.

Entre as 32 seleções, Togo, Angola e Trinidad e Tobago atraíram a simpatia de muita gente. Mas foram poucas as zebras. As estreantes Costa do Marfim e Gana, no entanto, mostraram ótimo futebol. Não foi suficiente para levar os marfinenses para a segunda fase, mas a seleção de Gana conseguiu se classificar para enfrentar o Brasil nas oitavas de final, quando perdeu por 3 x 0.

Outro destaque foi a seleção portuguesa de Cristiano Ronaldo. Treinado pelo técnico brasileiro Luiz Felipe Scolari, Portugal conseguiu igualar a melhor marca de sua história, ao ficar em quarto lugar, mesma posição da Copa de 1966, quando os lusitanos tinham Eusébio.

Depois de uma primeira fase irregular, com dois empates e uma vitória, a França engrenou a partir das oitavas de final, quando conseguiu uma bela vitória por 3 x 1 sobre a Espanha. Nas quartas de final, o adversário foi o Brasil. Melhor para Zidane e Thierry Henry.

A semifinal contra Portugal também terminou em final feliz para os franceses, com um gol de pênalti de Zidane. Mas, na decisão, o camisa 10 francês não aguentou a provocação de Materazzi e revidou com uma cabeçada no peito do italiano. Zidane foi expulso e a imagem de seu destempero rodou o mundo.

Melhor para os italianos, que além de acabarem com o trauma de perder uma Copa do Mundo nos pênaltis, ainda se consagraram tetracampeões mundiais, atrás apenas do Brasil. A conquista veio justamente na cobrança de pênaltis, depois que o 1 x 1 perdurou até o fim da prorrogação. Os italianos não perderam nenhuma cobrança, enquanto os franceses, já sem Zidane, viram Trezeguet bater no travessão. 
Quadrado Mágico

A Seleção Brasileira chegou à Alemanha mais favorita do que nunca. Afinal, o time treinado por Carlos Alberto Parreira contava com o chamado “Quadrado Mágico”: Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo Fenômeno e Adriano. Na Copa das Confederações de 2005, o Brasil deu show na final contra a Argentina. Com Robinho ao lado de Adriano, o time canarinho bailou sobre os hermanos. O resultado foi um 4 x 1 para empolgar até os mais céticos. 

Com Ronaldo Fenômeno integrado ao grupo, o Brasil chegou a Weggis, uma pequena cidade da Suíça, para fazer a preparação final antes da Copa do Mundo. O clima excessivamente festivo, no entanto, cobraria seu preço depois. Adriano e Ronaldo estavam nitidamente fora de forma. O esquema tático muito ofensivo também não inspirava confiança. Na primeira fase, a Seleção Brasileira venceu três vezes e avançou sem sustos. Nas oitavas de final, um 3 x 0 tranquilo sobre Gana.

O sonho do hexa, no entanto, acabaria nas quartas de final. Parreira escalou um time mais cauteloso, optando por Juninho Pernambucano no meio e apenas Ronaldo como atacante de ofício. Mas nem isso foi capaz de parar Zidane e seus companheiros. O camisa 10 francês fez uma de suas melhores partidas na Copa e cobrou uma falta para Henry completar e definir o placar. Mais uma vez, Zidane aparecia como o carrasco do Brasil.

Mais sobre a Copa de 2006 no Portal da Copa:

HISTÓRIA DAS COPAS - 2002. * A Família Scolari leva o Brasil ao quinto título Os barbeiros e cabeleireiros do Brasil tiveram um dia cheio na segunda-feira, 1º de julho de 2002. Todo menino que gostava de futebol no país queria um corte de cabelo igual ao de Ronaldo. No dia anterior, o craque exibira, na final da Copa do Mundo do Japão e da Coreia, um dos mais esquisitos, para dizer o mínimo, penteados da história dos Mundiais.

HISTÓRIA DAS COPAS - 2002
A Família Scolari leva o Brasil ao quinto título

Os barbeiros e cabeleireiros do Brasil tiveram um dia cheio na segunda-feira, 1º de julho de 2002. Todo menino que gostava de futebol no país queria um corte de cabelo igual ao de Ronaldo. No dia anterior, o craque exibira, na final da Copa do Mundo do Japão e da Coreia, um dos mais esquisitos, para dizer o mínimo, penteados da história dos Mundiais. A meia-lua de cabelo na frente da testa, no entanto, deu sorte para o artilheiro. Ele marcou dois gols contra a Alemanha do goleiro Oliver Kahn, chegou aos oito na artilharia da Copa, se tornou o jogador que mais balançou as redes em Mundiais, com 15 tentos, e garantiu o pentacampeonato para o Brasil. 

Pela primeira vez na história, a Copa do Mundo foi disputada em duas sedes. O Japão e a Coreia do Sul dividiram a responsabilidade de organizar o Mundial. A final foi em solo japonês, mas quem se deu melhor durante o torneio foram os coreanos. Eles venceram Portugal e Polônia na primeira fase, depois a Itália nas oitavas de final e a Espanha nas quartas. Com a torcida em êxtase, os coreanos só foram parados na semifinal, quando perderam para a Alemanha. No fim, ficaram com um histórico quarto lugar.

Os japoneses também não fizeram feio. O apoio dos torcedores foi suficiente não apenas para que o Japão vencesse uma partida de Copa pela primeira vez, mas acabou empurrando o time para uma igualmente inédita segunda fase. A seleção nipônica derrotou a Rússia e a Tunísia e empatou com a Bélgica na primeira fase, classificando-se em primeiro lugar do grupo. Mas a alegria dos japoneses não durou muito: nas oitavas de final, derrota para a surpreendente Turquia. 

Os turcos, aliás, foram as maiores zebras de uma Copa que não pecou pela falta de resultados inesperados. Em 2002, a Turquia voltou a disputar um Mundial depois de 48 anos. Caíram, logo de cara, no grupo do Brasil. Mesmo assim, conseguiram se classificar, graças ao saldo de gols melhor que o da Costa Rica. Nas oitavas de final, 1 x 0 sobre o Japão. Nas quartas, mais uma vitória magra, dessa vez na prorrogação, sobre o também surpreendente Senegal. A Turquia dificultou ao máximo a vida do Brasil, na semifinal, mas um chute de bico de Ronaldo resolveu o jogo. Os turcos ainda tiveram fôlego para vencer a Coreia do Sul e terminar o Mundial com um incrível terceiro lugar.

Vítima da Turquia, a seleção de Senegal também merece menção honrosa. Seguindo a tradição africana de jogar um futebol alegre, os senegaleses mostraram força logo no primeiro jogo, com o 1 x 0 sobre a então campeã França. Depois, empates com Dinamarca e Uruguai. Nas oitavas de final, uma impressionante vitória sobre a Suécia na prorrogação, que colocou Senegal entre os oito melhores times da Copa. Pela primeira vez, as oitavas de final contaram com seleções de cinco confederações diferentes.

Além da França, Portugal e Argentina também se despediram logo na primeira fase. Os portugueses, que contavam com Luis Figo, foram derrotados pelos Estados Unidos logo na estreia e depois não conseguiram mais se recuperar. Os americanos conseguiram a melhor campanha de sua história ao vencerem o México e avançar para as quartas de final, quando foram derrotados pela Alemanha. 
A Família Scolari

Assim como em 1994, a Seleção Brasileira passou aperto para garantir a classificação à Copa de 2002. Na Copa América de 2001, o Brasil passou por um dos maiores vexames de sua história: perdeu por 2 x 0 para a modestíssima Honduras. A vaga no Mundial veio apenas na última rodada das Eliminatórias, com uma vitória sobre a Venezuela.

Mais uma vez, a opinião pública pedia Romário. O técnico Luiz Felipe Scolari, no entanto, nem quis saber. Felipão fechou o grupo, expôs sua confiança nos convocados e garantiu a união de um elenco que ficou conhecido como “Família Scolari”. 

Na primeira fase da Copa de 2002, o Brasil não teve muitas dificuldades. Foram três vitórias. A Turquia até que endureceu o jogo, mas acabou derrotada por 2 x 1. China e Costa Rica foram despachadas com sonoras goleadas. 

Nas oitavas de final, um jogo complicado diante da Bélgica. O placar de 2 x 0 para o Brasil não espelhou os obstáculos que a Seleção precisou superar em campo. Com muita marcação, os belgas chegaram a ameaçar. Mas Rivaldo e Ronaldo garantiram a vitória.

A Inglaterra de David Beckham foi o adversário das quartas de final. E o sonho do penta quase escapou pelas mãos quando Michael Owen aproveitou uma falha de Lúcio e abriu o placar. Mas o Brasil tinha Ronaldinho Gaúcho. O meia era então um garoto de 22 anos que jogava no Paris Saint-Germain, ainda longe de ser o jogador que encantou o mundo com a camisa do Barcelona. Mas foi contra os ingleses que ele começou a chamar a atenção de todos. Primeiro, fez bela jogada no meio-de-campo e acertou um passe primoroso para Rivaldo empatar. Depois, acertou um chute espírita que entrou no ângulo do gol inglês. Até hoje a intenção de Ronaldinho é discutida: quis cruzar ou chutar a gol? O importante foi que a bola entrou. 

Um reencontro com a Turquia foi o cardápio da semifinal. O Brasil já havia vencido o mesmo adversário na primeira fase e, por isso, o favoritismo era imenso. Mas a retranca preparada pelos turcos foi ainda mais forte. Um chute de Ronaldo com o bico da chuteira, no entanto, foi suficiente para colocar o Brasil de novo na final, a terceira seguida desde 1994.

A decisão colocou frente a frente dois gigantes do futebol mundial: Brasil e Alemanha. Eram sete títulos mundiais em campo: os brasileiros buscavam o penta e os alemães, o tetra. Curiosamente, as duas seleções nunca haviam se enfrentado em Copas do Mundo. Com seis gols marcados no torneio até ali, Ronaldo já tinha provado para o mundo que estava recuperado. Depois de sofrer com lesões e ser alvo de desconfiança, o atacante estava pronto para dar a volta por cima.

A Alemanha tinha o goleiro Oliver Kahn, que acabou sendo eleito o melhor jogador da Copa de 2002. Mas Ronaldo marcou dois gols na decisão, se tornou o artilheiro do torneio, garantiu o pentacampeonato para o Brasil e, depois, ainda foi eleito o melhor jogador do mundo em 2002. O único problema é que, na imagem que ficou para a posteridade, o Fenômeno aparece com aquele corte de cabelo.

Mais sobre a Copa de 2002 no Portal da Copa:

HISTÓRIA DAS COPAS - 1998. * França no topo, sob a batuta de Zidane A Copa do Mundo de 1998, na França, abriu mais oportunidades para o sonho de várias nações de disputar um Mundial. Em vez de 24 participantes, o torneio foi organizado com 32 equipes.

HISTÓRIA DAS COPAS - 1998
França no topo, sob a batuta de Zidane
A Copa do Mundo de 1998, na França, abriu mais oportunidades para o sonho de várias nações de disputar um Mundial. Em vez de 24 participantes, o torneio foi organizado com 32 equipes. Por isso, África do Sul, Japão e Jamaica conseguiram se classificar pela primeira vez na história. O regulamento dividiu os participantes em oito grupos, com quatro times em cada. Os dois melhores de cada chave passariam para as oitavas de final.

O torneio também teve um momento histórico. Irã e Estados Unidos, que desde 1979 eram ferrenhos inimigos políticos, caíram no mesmo grupo. Nenhuma das seleções conseguiu se classificar para a segunda fase do torneio, mas os iranianos comemoram muito a vitória sobre os Estados Unidos. Americanos e iranianos deram exemplo de esportividade: posaram para fotos abraçados e trocaram gentilezas. No fim, o placar apontou 2 x 1 para o Irã.

Mesmo com as mudanças, as zebras continuaram a aparecer. A Espanha, por exemplo, despediu-se de forma precoce depois de perder da Nigéria e empatar com o Paraguai. Mas foi a Croácia de Davor Suker que se tornou a maior surpresa da Copa. Separados da Iugoslávia, pela primeira vez os croatas jogavam como nação independente. E a seleção comandada pelo técnico Miroslav Blažević mostrou muita força.

Na primeira fase, vitórias sobre Jamaica e Japão, que garantiram o segundo lugar do grupo, atrás apenas da Argentina. Nas oitavas de final, os croatas despacharam a Romênia, com vitória por 1 x 0, gol de Suker. Mas foi nas quartas de final que a Croácia conseguiu o resultado mais impressionante. Diante da tricampeã Alemanha, os croatas não se intimidaram e venceram por incontestáveis 3 x 0.

Na semifinal, no entanto, os croatas tiveram que encarar a anfitriã França. Suker ainda conseguiu abrir o placar, marcando seu sexto gol na competição e garantindo a artilharia, mas o francês Lilian Thuram escolheu justamente aquela partida para desencantar. Ele nunca havia marcado com a camisa da seleção francesa. E, logo na semifinal, fez dois de uma vez, para decretar a vitória dos franceses. 

Depois de verem a geração de Michel Platini ser eliminada duas vezes nas semifinais, os franceses viam a própria seleção com alguma desconfiança. Zinedine Zidane, que antes do Mundial chegou a dizer “eu vou ganhar essa Copa”, teve atuações apagadas até a final e chegou a por em risco a classificação na primeira fase ao pisar em um adversário, ser expulso e pegar dois jogos de suspensão. Mesmo assim, os franceses venceram os três primeiros jogos e avançaram em primeiro lugar do grupo.

Nas oitavas de final, no entanto, o sufoco foi grande. Sem Zidane, a França teve de suar muito para superar a retranca do Paraguai, que contava com o polêmico goleiro Jose Chilavert e o excepcional zagueiro Carlos Gamarra. O gol da vitória só veio na prorrogação, graças ao zagueiro Laurent Blanc.

Zidane voltou nas quartas de final, diante da Itália, e ajudou a França a vencer nos pênaltis. A semifinal, contra a Croácia, também foi emocionante: Thuram precisou marcar seus dois primeiros gols com a camisa da seleção francesa para que o time vencesse e avançasse à final.

Contra o Brasil, campeão em 1994, Zidane finalmente mostrou seu futebol exuberante. Já no primeiro tempo, o camisa 10 marcou dois gols e abriu 2 x 0 no placar. Perdido em campo, os brasileiros não tiveram forças para reagir e coube a Emmanuel Petit a tarefa de fechar o placar, antes do apito do árbitro marroquino Said Belqola, o primeiro africano a comandar uma decisão de Copa do Mundo da FIFA. A França era campeã pela primeira vez na história e a festa tomou conta de todo o país, com destaque para os cerca de um milhão de torcedores que lotaram a avenida Champs Élysées.
Onde está Ronaldo?

Como campeão da Copa de 1994, o Brasil nem precisou disputar as Eliminatórias para o Mundial da França. A preparação teve de ser feita por meio de amistosos. Mesmo assim, a confiança era alta, já que a Seleção contava com Ronaldo, eleito pela FIFA nos dois anos anteriores o melhor jogador de futebol do mundo.

Os problemas, no entanto, começaram antes mesmo da Copa. Romário, ídolo na campanha do tetra, foi cortado por contusão pelo técnico Zagallo pouco antes do Mundial. Na época, o Baixinho jurou que a lesão era leve, mas a comissão técnica mostrou-se irredutível. O atacante nunca se conformou.

Sem Romário, o Brasil contava com Ronaldo, Bebeto e Rivaldo. Mas, na primeira fase, o melhor jogador do apático time foi o volante César Sampaio. Nas duas primeiras partidas, vitórias sobre Marrocos e Escócia. A derrota para a Noruega, no entanto, expôs os problemas do time, embora não tenha comprometido a vaga na segunda fase.

Uma goleada fácil sobre o Chile nas oitavas de final voltou a animar a torcida. Nas quartas de final, Rivaldo brilhou e marcou dois gols na vitória por 3 x 2 sobre a Dinamarca. Na semifinal, diante da Holanda, a glória coube ao goleiro Taffarel. O jogo terminou empatado e a decisão foi para os pênaltis. O camisa 1, então, se consagrou ao defender duas cobranças e colocar o Brasil em mais uma final.

A decisão, no entanto, foi um verdadeiro balde de água fria para os torcedores brasileiros, que viram um time apático ser totalmente dominado pela França e perder por 3 x 0. 

Um episódio ocorrido antes do jogo e até hoje não esclarecido totalmente entraria de vez para as lendas das Copas do Mundo. O atacante Ronaldo sofreu uma convulsão horas antes da partida decisiva. A entrada de Edmundo no time titular chegou a ser anunciada pouco antes do jogo. Depois de ser avaliado por médicos, Ronaldo foi liberado para jogar e entrou em campo. Os companheiros do atacante, preocupados com a saúde do craque, teriam jogado sem foco. E o próprio Ronaldo mostrou-se irreconhecível em campo.

Mais sobre a Copa de 1998 no Portal da Copa:

HISTÓRIA DAS COPAS - 1994. * A redenção de Dunga e ascensão de Romário Terra do basquete, do beisebol e do futebol jogado com as mãos, os Estados Unidos se renderam ao soccer, como eles chamam o esporte mais popular do planeta, para receber a 15ª edição da Copa do Mundo da FIFA. As dúvidas sobre o envolvimento da população logo se dissiparam: o Mundial de 1994 teve o maior público da história do evento, 3.587.538 espectadores, e foi marcado por outros números igualmente impressionantes, incluindo o tetracampeonato do Brasil.

HISTÓRIA DAS COPAS - 1994
A redenção de Dunga e ascensão de Romário
Terra do basquete, do beisebol e do futebol jogado com as mãos, os Estados Unidos se renderam ao soccer, como eles chamam o esporte mais popular do planeta, para receber a 15ª edição da Copa do Mundo da FIFA. As dúvidas sobre o envolvimento da população logo se dissiparam: o Mundial de 1994 teve o maior público da história do evento, 3.587.538 espectadores, e foi marcado por outros números igualmente impressionantes, incluindo o tetracampeonato do Brasil.

Os americanos viram de perto nada menos que 141 gols, melhor marca desde 1982. Durante as eliminatórias, 147 seleções disputaram 24 vagas. Além disso, o camaronês Roger Milla tratou de deixar outro recorde para a posteridade: ele se tornou o atleta mais velho a marcar um gol em Copas do Mundo. Milla tinha 42 anos, um mês e oito dias quando anotou o gol de honra de Camarões na derrota por 6 x 1 para a Rússia. O mesmo jogo também estabeleceu outro marco em Mundiais: o russo Oleg Salenko fez incríveis cinco gols em uma só partida.

A Copa de 1994 também ficou marcada na lembrança dos torcedores por causa de dois episódios. O primeiro foi o doping do argentino Diego Maradona. Ele foi flagrado no exame antidoping, que detectou efedrina, droga usada para emagrecer e também um poderoso estimulante. Chamado às pressas para a repescagem das eliminatórias, contra a Austrália, Maradona conseguiu entrar em forma rapidamente, perdendo 13 quilos. Na Copa do Mundo, marcou um gol contra a Grécia e depois liderou os argentinos na virada sobre a Nigéria. Mas, com o doping, foi eliminado do torneio, mesmo jurando inocência. E a Argentina deu adeus ao perder para a excelente Romênia de Gheorghe Hagi.

O segundo episódio que ficou atrelado negativamente ao Mundial foi a morte do zagueiro colombiano Andrés Escobar. O jogador fez um gol contra no jogo diante dos Estados Unidos, ainda na primeira fase da Copa de 1994. A infelicidade resultou na derrota dos colombianos, por 2 x 1, e na eliminação precoce da seleção sul-americana. Depois de voltar para casa, Escobar foi assassinado em frente a uma discoteca na cidade de Medellín. Embora nunca tenha sido completamente esclarecido, o crime teria sido encomendado por apostadores colombianos que perderam muito dinheiro com o resultado do jogo. 
Zebras em campo

Antes mesmo de a bola rolar nos campos dos Estados Unidos, algumas tradicionais seleções do futebol mundial já estavam fora da festa. Campeã da Eurocopa de 1992, a Dinamarca sequer passou das Eliminatórias, assim como a Inglaterra e a França.

Na fase de grupos do Mundial, mais zebras. A Colômbia, que contava com aquela que é considerada a melhor geração de jogadores da história do país sul-americano – Higuita, Valderrama, Aristizabal, Rincon e Asprilla, por exemplo –, foi eliminada logo na primeira fase, com derrotas para Romênia e Estados Unidos.

A Arábia Saudita, por sua vez, conseguiu a proeza de se classificar para a segunda fase da competição. Depois de vencer o Marrocos, por 2 x 1, os árabes conseguiram um triunfo histórico sobre a Bélgica. O atacante Saeed Owairan virou herói depois de sair driblando vários jogadores e marcar um dos gols mais bonitos das Copas. O sonho árabe só acabou nas oitavas de final, com uma derrota por 3 x 1 para a Suécia.

Pela primeira vez, a vitória valia três pontos. A Itália passou sufoco para conseguir se classificar. Logo na estreia, derrota por 1 x 0 para a Irlanda. Depois, uma vitória magra sobre a Noruega e um empate diante do México. A vaga só veio porque os italianos foram um dos quatro melhores terceiros colocados. Mas a Azzurra tinha Roberto Baggio. E foi ele o salvador da pátria nas oitavas de final, diante da Nigéria. Ele fez dois gols, um deles na prorrogação. Nas quartas de final, contra a Espanha, mais um gol do meia.

A Itália teve pela frente a Bulgária na semifinal. Os búlgaros tinham Hristo Stoichkov. No auge da carreira, ele se tornou artilheiro da Copa de 1994, ao lado do russo Salenko, com seis gols. Um deles foi justamente contra a Itália. Mas Roberto Baggio marcou mais dois gols e levou os italianos para a final.
Rumo ao tetra 

O Brasil chegou aos EUA sob desconfiança. A classificação durante as Eliminatórias veio no sufoco. O técnico Carlos Alberto Parreira foi obrigado a se render ao apelo popular e convocar Romário para o último jogo das Eliminatórias, contra o Uruguai. Resultado: 2 x 0 com show do Baixinho. Depois ele provaria, definitivamente, que o povo estava certo.

O time montado por Parreira era considerado defensivo e muito cerebral. Jogadores como Mauro Silva e Mazinho foram muito criticados, sem falar em Dunga. O volante era lembrado como o grande ícone do fracasso brasileiro na Copa de 1990, que ficou conhecido como a “Era Dunga”. Mas ele voltou em 1994.

Na primeira fase, o Brasil não teve muita dificuldade, apesar de o até então capitão Raí (considerado o craque do time) ter mostrado tão pouco futebol que acabou no banco de reservas. A braçadeira passou para Dunga. Nas oitavas de final, um confronto com os donos da casa. O favoritismo era brasileiro, mas o jogo foi duríssimo e a classificação só veio a 20 minutos do fim do jogo, com um gol de Bebeto. 

Nas quartas de final, a partida mais emocionante. Os brasileiros tiveram de enfrentar a Holanda de Bergkamp, Rijkaard e Overmars. No começo do segundo tempo, a Seleção abriu 2 x 0, com direito à famosa comemoração de Bebeto, que fingiu embalar um bebê em homenagem ao nascimento de seu filho. Mas os holandeses, com Dennis Bergkamp e Aron Winter, buscaram o empate. Foi então que o lateral Branco, também muito criticado, cavou uma falta na intermediária, pegou a bola e se preparou para a cobrança. Com o chutaço, a bola fez uma curva inimaginável, quase raspou as costas de Romário e ainda bateu no pé da trave antes de morrer nas redes: 3 x 2. 

Na semifinal, mais sufoco, dessa vez contra a Suécia. O placar permaneceu inalterado até os 35 minutos do segundo tempo. Quando a prorrogação parecia inevitável, Romário apareceu por trás dos grandalhões suecos para arrematar de cabeça. O gol colocou a Seleção Brasileira na final da Copa do Mundo 24 anos depois do tricampeonato de 1970. E o adversário seria justamente a Itália, vice em 1970.

De um lado, Romário de Souza Faria. Do outro, Roberto Baggio. Os brasileiros ainda estavam engasgados com os italianos por causa da “Tragédia do Sarriá”, em 1982. Os italianos, por sua vez, também buscavam o tetra e não esqueciam que a última final entre os dois países terminara em goleada tupiniquim. 

O jogo, muito estudado de ambos os lados, teve poucas chances de gol. E o 0 x 0 perdurou até o fim da prorrogação. Pela primeira vez na história, o título mundial seria decidido nas cobranças de pênaltis. A cobrança de Romário bateu na trave e entrou. O que ninguém esperava aconteceu quando Roberto Baggio se preparou para bater. Justamente o responsável por levar uma pouco brilhante Azzurra até a final, ele se tornou o vilão dos italianos ao mandar a bola para o espaço na cobrança que definiu o campeão. O Brasil voltava a reinar, se tornava o primeiro tetracampeão e via Dunga alcançar sua redenção ao levantar a taça. Mas a Copa era mesmo do baixinho Romário.

Mais sobre a Copa de 1994 no Portal da Copa:

HISTÓRIA DAS COPAS - 1990. * Quando a Copa do Mundo voltou a ser disputada na Itália, em 1990, 56 anos depois do primeiro título da Azzurra, muito havia mudado no país, e também no mundo. Se, em 1934, ganhar o título sob os olhos do ditador Benito Mussolini era praticamente uma questão de vida ou morte, na 14ª edição do torneio os italianos entraram como favoritos, organizaram o torneio em 12 sedes, reformaram dez estádios, construíram duas arenas gigantescas em Turim e Bari e se prepararam, com a força da eufórica torcida, para se tornarem os primeiros tetracampeões da história.

HISTÓRIA DAS COPAS - 1990
Poucos gols, muita emoção

Quando a Copa do Mundo voltou a ser disputada na Itália, em 1990, 56 anos depois do primeiro título da Azzurra, muito havia mudado no país, e também no mundo. Se, em 1934, ganhar o título sob os olhos do ditador Benito Mussolini era praticamente uma questão de vida ou morte, na 14ª edição do torneio os italianos entraram como favoritos, organizaram o torneio em 12 sedes, reformaram dez estádios, construíram duas arenas gigantescas em Turim e Bari e se prepararam, com a força da eufórica torcida, para se tornarem os primeiros tetracampeões da história.

Mas a missão se revelaria complicada. Todas as seleções que já haviam sido campeãs mundiais até então se classificaram para o torneio: Brasil, Uruguai, Argentina, Alemanha Ocidental e Inglaterra, além da própria Itália. O Uruguai era apenas uma sombra da Celeste Olímpica. Sobre o Brasil pairava a dúvida: como o time de Sebastião Lazaroni iria reagir em sua primeira Copa do Mundo sem a brilhante geração de Zico, Falcão e Sócrates? A Argentina contava com o gênio Maradona; a Inglaterra tinha não apenas Gary Lineker, artilheiro em 1986, mas também o endiabrado Paul Gascoigne; e a Alemanha vinha com Franz Beckenbauer como técnico e Lothar Matthäus, Jürgen Klinsmann e Andreas Brehme como destaques.

Mesmo com tantas atrações, a Copa de 1990 teve a menor média de gols da história: apenas 2,21 por partida. O torneio acabou consagrando um estilo de jogo mais sisudo, de muita marcação e pouca ousadia. O time que mais destoou dessa regra foi uma surpresa: Camarões. Liderados pelo carismático Roger Milla, os contagiantes camaroneses começaram a fazer história com uma vitória sobre a Argentina, logo na estreia, por 1 x 0. Depois, venceram a Romênia, se classificaram em primeiro do grupo e ainda bateram a Colômbia nas oitavas de final. Primeira seleção da África a chegar às quartas de final, Camarões só deu adeus ao sonho diante da Inglaterra, na prorrogação.

Os ingleses chegaram pela primeira vez à semifinal desde 1966 e, depois disso, nunca mais conseguiram ir tão longe. Mas em 1990 as chances de garantir o sonhado bicampeonato eram reais. O bom time britânico contava com jogadores como Gary Lineker, David Platt, Ian Wright, e o veterano goleiro Peter Shilton. Além, claro, de Paul Gascoigne. Polêmico e irascível, o atacante se transformou no ícone da decepção inglesa. Na semifinal contra a Alemanha, Gascoigne tomou um cartão amarelo que, automaticamente, o deixava fora da final, se a Inglaterra avançasse. Ciente disso, Paul começou a chorar copiosamente em campo. Uma das imagens mais marcantes do torneio foi a do atacante Lyneker avisando ao banco inglês que o companheiro estava visivelmente abalado. Coincidência ou não, o time inglês acabou eliminado nos pênaltis.

Na outra semifinal, mais emoção. A Itália, dona da casa, enfrentaria a Argentina justamente em Nápoles, terra que idolatrava Diego Maradona. Dieguito levara o time do Napoli a patamares nunca sonhados por sua fanática torcida. Sempre controverso, o camisa 10 convocou os napolitanos a torcerem pela Argentina, alegando que o Sul da Itália era historicamente desprezado pelo Norte. O apelo de Maradona chegou a dividir os italianos, que viram os argentinos vencerem nos pênaltis e se garantirem na final.

A grande decisão, em Roma, colocou frente a frente os mesmos times que, quatro anos antes, haviam disputado o troféu. O vencedor se igualaria a Brasil e Itália, com três conquistas mundiais. A Argentina apostava em Maradona, que, praticamente sozinho, garantira o bi em 1986. Mas a Alemanha queria vingança. E ela veio dos pés de Andreas Brehme. De pênalti, ele marcou o único gol do jogo. O capitão Lothar Matthäus ergueu a taça e entrou para a história como o líder e principal pensador daquele time. De quebra, Franz Beckenbauer se igualou a Zagallo como únicos homens a conquistar a Copa do Mundo como jogador e também como técnico.
Era Dunga

Campeão da Copa América em 1989, o Brasil tinha bons jogadores em seu elenco – para citar apenas alguns: Romário, Bebeto, Careca, Renato Gaúcho, Mozer, Aldair, Ricardo Gomes, Mauro Galvão e Taffarel. Mesmo assim, o time do técnico Sebastião Lazaroni não inspirava confiança na torcida. O treinador optou pelo esquema tático 3-5-2 e, pela primeira vez na história, a Seleção Brasileira jogava de maneira tão defensiva.

O resultado foi um futebol apático. O Brasil suou para se classificar na primeira fase. Embora tenha conseguido três vitórias, foram todas no sufoco: 2 x 1 na Suécia, 1 x 0 na Costa Rica e 1 x 0 na Escócia. Nas oitavas de final, confronto com a Argentina, que tinha dado vexame na etapa de grupos, perdendo inclusive para Camarões, mas contava com Maradona.

E foi justamente dos pés do camisa 10 argentino que surgiu a jogada fatal. O Brasil dominou a partida e criou chances de gol. Mas, quando faltavam 10 minutos para o fim do tempo regulamentar, Maradona arrancou com a bola, passou pelos marcadores brasileiros e achou Claudio Caniggia livre na esquerda. Cara a cara com Taffarel, o atacante não desperdiçou.

O Brasil ainda tentou empatar na base do desespero, mas a derrota precoce marcou não apenas a pior campanha da Seleção desde 1966, mas toda uma geração. Aqueles dias de futebol atípico, focado na marcação, ficariam conhecidos como “Era Dunga”, em referência ao aguerrido volante gaúcho, que, mais tarde, teria sua redenção.

HISTÓRIA DAS COPAS - 1986. * Maradona comanda a Argentina A Copa do Mundo de 1986 foi responsável por alçar mais um jogador ao Olimpo do futebol. Até aquele ano, o argentino Diego Armando Maradona era apenas um excelente meia, habilidoso como raros, mas com histórico de indisciplina e polêmicas. Depois daquele mês de junho no México, no entanto, Dieguito virou um mito. Para todos, um gênio com a perna esquerda; para muitos, comparável até mesmo a Pelé; para os argentinos, um semideus.

HISTÓRIA DAS COPAS - 1986
Maradona comanda a Argentina
A Copa do Mundo de 1986 foi responsável por alçar mais um jogador ao Olimpo do futebol. Até aquele ano, o argentino Diego Armando Maradona era apenas um excelente meia, habilidoso como raros, mas com histórico de indisciplina e polêmicas. Depois daquele mês de junho no México, no entanto, Dieguito virou um mito. Para todos, um gênio com a perna esquerda; para muitos, comparável até mesmo a Pelé; para os argentinos, um semideus.

Como a Colômbia desistiu de organizar o Mundial, por problemas financeiros, coube ao México a honra de ser o primeiro país a receber uma Copa do Mundo da FIFA pela segunda vez. Um terremoto em setembro de 1985 quase pôs tudo a perder, mas a tragédia fez o povo mexicano se unir e aproveitar a Copa para celebrar a reconstrução do país.

A Copa do Mundo de 1986 teve um novo formato, com o fim da segunda fase de grupos dando lugar a uma série de jogos eliminatórios, que começavam nas oitavas de final. Assim, os quatro melhores terceiros colocados de cada grupo também seguiram em frente.

A Argentina não era a principal favorita. A França, por exemplo, tinha Michel Platini já consagrado mundialmente. A Inglaterra contava com seu melhor time em muito tempo, incluindo Gary Lineker, que, com seis gols marcados, tornou-se o artilheiro da Copa. Traumatizado pela derrota em 1982, o Brasil ainda tinha Zico, Sócrates, Júnior e Falcão, o mesmo técnico Telê Santana, e uma vontade de corrigir uma injustiça histórica. A Itália era a campeã do mundo e a Alemanha Ocidental, treinada por Beckenbauer, tinha Lothar Matthäus como um sucessor para o lendário líbero.

Ainda houve espaço para sensações como a Dinamarca de Michael Laudrup. Os nórdicos venceram três partidas na primeira fase, encantaram com seu futebol ofensivo, golearam o bicampeão Uruguai por 6 x 1 e acabaram chamados de “Dinamáquina”. Um belo cartão de visitas para a seleção que, ao lado de Canadá e Iraque, estreava em Copas.

A União Soviética, a Espanha de Emilio Butragueño e a Bélgica também mostraram muita força, mas acabaram ficando pelo caminho, assim como o surpreendente Marrocos, que foi o primeiro país africano a superar a primeira fase do Mundial ao vencer o seu grupo graças a uma vitória de 3 x 1 sobre Portugal. Os marroquinos, no entanto, acabaram eliminados em seguida pela Alemanha Ocidental.

Mas ninguém foi páreo para o camisa dez argentino. Maradona marcou cinco gols, criou a jogada de outros cinco dos 14 convertidos pela Argentina, fez aquele que é considerado o mais bonito da história das Copas e ainda protagonizou o lance irregular mais famoso de todos os tempos.

Na primeira fase, os argentinos somaram duas vitórias, sobre Bulgária e Coreia do Sul, e um empate diante da Itália. Nas oitavas de final, 1 x 0 sobre o rival e vizinho Uruguai. O brilho de Maradona se intensificou nas quartas de final. O adversário era a Inglaterra. Seria a primeira vez que os dois países se enfrentariam desde a Guerra das Malvinas. Os argentinos abriram o placar com uma trapaça de Dieguito. Ele deu um toque de mão na bola para encobrir o goleiro Peter Shilton. O árbitro validou o gol, e, depois, Maradona batizaria o lance como “A mão de Deus”. 

Mas o segundo gol do camisa 10 no jogo contra os ingleses seria ainda mais antológico. Maradona recebeu a bola em seu campo de defesa, de costas para o ataque. Com um giro, deixou para trás o primeiro marcador e partiu em um arranque memorável, driblando cinco jogadores ingleses, inclusive o próprio Shilton, antes de empurrar para as redes. Lineker ainda conseguiu diminuir, mas os argentinos avançaram para a semifinal e o jornal francês L'Équipe saiu-se com aquela que, talvez, seja a melhor definição do eterno ídolo: "Metade anjo, metade demônio".

Maradona fez mais dois gols memoráveis na vitória da Argentina sobre a Bélgica nas semifinais, calando o goleiro Jean-Marie Pfaff, que o menosprezara antes do jogo. Na final, também estavam os alemães, que, assim como em 1982, eliminaram a França de Michel Platini nas semifinais.

Na decisão, o técnico alemão Franz Beckenbauer colocou Lothar Matthäus para marcar Maradona de perto. Quem abriu o marcador foi o zagueiro argentino José Luis Brown, que jogou boa parte da partida com a mão machucada. Jorge Valdano aumentou a vantagem. Os alemães, no entanto, mostraram, mais uma vez, sua incrível capacidade de reação, e empataram com gols de Karl-Heinz Rummenigge e Rudi Völler. Mas nem mesmo Matthäus conseguiu segurar Maradona. Aos 38 minutos do segundo tempo, Dieguito fez um lançamento primoroso para Jorge Burruchaga marcar o terceiro da Argentina e garantir o bicampeonato mundial.
Brasil: problemas do começo ao fim

Depois de encantar o planeta em 1982, mas sair frustrado da Copa na Espanha, o Brasil tinha esperança de uma volta por cima, já que ainda contava com craques como Zico e Sócrates. Mas foram muitos os problemas acumulados durante a preparação. O técnico Telê Santana, que assumiu o time pouco antes da Copa, no lugar de Evaristo de Macedo, cortou o atacante Renato Gaúcho e viu o lateral-esquerdo Leandro desistir do Mundial em solidariedade ao amigo. Machucado, Zico teve de se esforçar muito no tratamento para ter mínimas condições de entrar em campo. Para piorar, Falcão também lutava contra uma lesão.

O resultado de tudo isso foram vitórias magras sobre a Espanha e a Argélia na primeira fase. No terceiro jogo, contra a Irlanda do Norte, Telê escalou o lateral Josimar no lugar do contundido Édson. O Brasil cresceu e fez 3 x 0, com um gol de Josimar e dois de Careca. Nas oitavas de final, a Polônia não ofereceu dificuldades. Josimar marcou novamente, assim como Careca, e a seleção brasileira aplicou um sonoro 4 x 0.

Mas a alegria durou pouco. Nas quartas de final, o adversário era a França, campeã europeia e que contava com Michel Platini. Mesmo assim, o Brasil saiu na frente com Careca. O próprio Platini empatou ainda no primeiro tempo. Na segunda etapa, Zico teve a bola do jogo nos pés. O meia do Flamengo preparou-se para cobrar um pênalti sofrido por Branco, mas bateu mal e viu o goleiro francês Joël Bats defender. A partida foi para a prorrogação, mas continuou empatada. E veio a decisão nos pênaltis. Dessa vez, Zico converteu. Sócrates e Júlio César, no entanto, perderam suas cobranças e viram a talentosa geração dos anos 80 se despedir melancolicamente.

HISTÓRIA DAS COPAS - 1982. * A queda do futebol arte Para os brasileiros, a Copa do Mundo de 1982, na Espanha, só não é mais traumática do que a de 1950. O Mundial disputado no Brasil legou para a história do futebol a expressão Maracanazo, que se refere à derrota por 2 x 1 do time canarinho para o Uruguai, em um Maracanã mais do que lotado. E a Copa realizada na Espanha, 32 anos depois, ficou marcada pela Tragédia do Sarriá.

HISTÓRIA DAS COPAS - 1982
A queda do futebol arte

Para os brasileiros, a Copa do Mundo de 1982, na Espanha, só não é mais traumática do que a de 1950. O Mundial disputado no Brasil legou para a história do futebol a expressão Maracanazo, que se refere à derrota por 2 x 1 do time canarinho para o Uruguai, em um Maracanã mais do que lotado. E a Copa realizada na Espanha, 32 anos depois, ficou marcada pela Tragédia do Sarriá.

No dia 5 de julho de 1982, mais de 40 mil pessoas assistiram, no Estádio Sarriá, em Barcelona, à vitória por 3 x 2 da Itália sobre o Brasil de Zico, Falcão, Sócrates, Júnior, Cerezo, Éder e tantos outros. Àquela altura, a seleção brasileira comandada por Telê Santana era a sensação do torneio, tendo vencido a União Soviética, a Escócia, a Nova Zelândia e a Argentina de Maradona, sempre dando um show de futebol técnico e ofensivo.

Contra os italianos, bastava um empate para garantir os brasileiros na semifinal do Mundial. Mas ninguém contava com a redenção de Paolo Rossi. Em 1980, o atacante foi condenado pela Justiça desportiva italiana por ter se envolvido no escândalo do Totonero, como ficou conhecido o esquema de manipulações de resultados feito por um grupo de apostadores da loteria esportiva italiana. A punição de três anos foi reduzida para dois e, assim, Rossi ficou livre para jogar quando faltava um mês para a Copa do Mundo.

Na primeira fase do Mundial da Espanha, a Itália não conseguiu se acertar: foram três empates, diante de Polônia, Peru e Camarões. A classificação para a próxima fase só veio porque a Azzurra conseguiu marcar um gol a mais que Camarões. Fora de ritmo de jogo, Paolo Rossi não fez nenhum gol nos três primeiros jogos. A arrancada rumo ao título, no entanto, estava por vir.

A 12ª edição de uma Copa do Mundo da FIFA teve várias novidades. A principal foi que, em vez de 16 seleções, o torneio passou a contar com 24 participantes. Os times foram divididos em seis grupos de quatro, em que todos jogavam contra todos. Os dois primeiros avançavam. Na segunda fase, os doze times eram divididos em quatro grupos de três. Apenas o melhor passava para as semifinais.

Além disso, seis seleções estrearam em Copas: Argélia, Camarões, El Salvador, Honduras, Kuwait e Nova Zelândia. A Argélia causou surpresa ao derrotar na estreia a Alemanha Ocidental, detentora do título europeu, por 2 x 1. Os argelinos também derrotaram o Chile, mas acabaram eliminados no saldo de gols ao verem no dia seguinte a Alemanha Ocidental fazer 1 x 0 na Áustria, em um jogo bastante polêmico, já que o resultado classificou os dois países vizinhos. A partida gerou tanta controvérsia que, nos torneios seguintes, os jogos do mesmo grupo na última rodada da primeira fase passaram a acontecer sempre no mesmo horário.

Para a seleção de Camarões, faltou sorte. Mesmo invictos, os africanos foram eliminados na primeira fase, por causa do saldo de gols. Outra zebra foi Honduras, que conseguiu empatar com a decepcionante anfitriã Espanha. Já El Salvador se tornou o primeiro país a tomar dez gols em uma partida da Copa do Mundo da FIFA ao perder por 10 x 1 para a Hungria.
O tricampeonato italiano

Desacreditada, a Itália começou a arrancada para a taça diante da Argentina, então campeã mundial e que já contava com Diego Maradona. A vitória por 2 x 1 teve gols de Marco Tardelli e Antonio Cabrini. Daniel Passarella descontou para os argentinos. A Azzurra mostrava força, mas ainda faltava um aspecto crucial: Paolo Rossi, o atacante, precisava acordar. 

Nem mesmo os mais otimistas italianos, no entanto, poderiam imaginar o que estava por vir. Diante de um favoritíssimo Brasil, Rossi marcou nada menos que três gols e garantiu a Itália na semifinal. Sócrates e Falcão balançaram as redes e bem que tentaram endurecer a partida, mas era mesmo a vez de Paolo Rossi brilhar. O Brasil deu adeus mais cedo e a Itália se classificou para enfrentar a Polônia na semifinal. Com Rossi de volta à melhor forma, os poloneses não foram páreo para os italianos: 2 x 0, dois de Paolo.

Na outra semifinal, uma verdadeira batalha entre França e Alemanha. Os franceses chegaram a abrir 3 x 1 na prorrogação, mas os alemães, mostrando mais uma vez sua incrível capacidade de recuperação, empataram, naquele que foi o primeiro confronto da história da Copa do Mundo da FIFA a ser decidido nos pênaltis.

Após cinco cobranças para cada equipe, o goleiro Harald Schumacher, que durante o jogo ficou marcado por uma agressão que deixou o francês Patrick Battiston inconsciente, se transformou em herói ao defender a primeira cobrança alternada, feita por Maxime Bossis. Horst Hrubesch converteu para despachar a França de Michel Platini, Jean Tigana e Alain Giresse.

Exauridos após o confronto diante dos franceses, os alemães não conseguiram segurar a Itália na decisão. Paolo Rossi marcou seu sexto gol na Copa e se tornou o artilheiro do torneio, selando a arrancada rumo à glória iniciada no jogo diante do Brasil. Marco Tardelli e Alessandro Altobelli marcaram os outros gols italianos. Breitner fez o de honra da Alemanha.

Com o tricampeonato da Azzurra, entraram para a história não apenas Rossi, mas também Tardelli, por sua comemoração efusiva, e figuras como o goleiro e capitão Dino Zoff, de 40 anos, e o lateral Giuseppe Bergomi, de apenas 18, o italiano mais jovem a participar de uma edição da Copa do Mundo da FIFA.

Mais sobre a Copa de 1982 no Portal da Copa:

HISTÓRIA DAS COPAS - 1978. * Uma Copa sob a sombra da ditadura Depois de seus vizinhos na América do Sul (Uruguai, Brasil e Chile), a Argentina finalmente teve a sua chance de organizar uma Copa do Mundo, em 1978. E, ao contrário do que ocorreu com brasileiros e chilenos, os argentinos puderam comemorar o final feliz. Mario Kempes se consagrou como artilheiro do Mundial e a festa tomou conta das ruas de Buenos Aires, com chuva de papeis azuis e brancos, depois da vitória da seleção sul-americana sobre a Holanda na final.

HISTÓRIA DAS COPAS - 1978
Uma Copa sob a sombra da ditadura
Depois de seus vizinhos na América do Sul (Uruguai, Brasil e Chile), a Argentina finalmente teve a sua chance de organizar uma Copa do Mundo, em 1978. E, ao contrário do que ocorreu com brasileiros e chilenos, os argentinos puderam comemorar o final feliz. Mario Kempes se consagrou como artilheiro do Mundial e a festa tomou conta das ruas de Buenos Aires, com chuva de papeis azuis e brancos, depois da vitória da seleção sul-americana sobre a Holanda na final.

Mas, mesmo com o show da torcida, nunca houve uma Copa do Mundo tão polêmica. A competição teve como pano de fundo o opressivo regime militar liderado pelo general Jorge Videla. Os brasileiros não se conformaram por terem perdido o Mundial, mesmo sendo o único time invicto do torneio. As reclamações começaram na primeira fase. No jogo contra a Suécia, o 1 x 1 perdurava até o fim, quando, após uma cobrança de escanteio, Zico cabeceou para as redes. O árbitro galês Clive Thomas, no entanto, alegou que tinha apitado o fim do jogo antes de a bola cruzar a linha. Gol anulado e empate em 1 x 1.

Depois, veio a Batalha de Rosario. O jogo entre Brasil e Argentina, válido pela segunda fase da Copa, poderia definir um finalista. Os argentinos, sob os olhares do ditador Jorge Videla, queriam ganhar de qualquer jeito, e endureceram para cima dos brasileiros, que responderam na mesma moeda. O resultado foi um dos jogos mais violentos da história, em que os protagonistas não foram craques como Zico e Kempes, mas sim marcadores famosos pelas entradas cheias de vigor, como os brasileiros Chicão e Oscar e os argentinos Galván e Ardiles.

No fim, o 0 x 0 deixou a definição de quem iria à final para a última rodada. O problema é que os jogos de Brasil e Argentina não foram disputados no mesmo horário. Os brasileiros entraram em campo antes e venceram a Polônia por 3 x 1. Quando o jogo entre Argentina e Peru começou, os donos da casa já sabiam que precisavam vencer por uma diferença de quatro gols para superar o Brasil no saldo e avançar à decisão da Copa. O que se seguiu foi um jogo de ataque contra defesa e os desinteressados peruanos, que já não tinham chance de classificação, perderam por 6 x 0.

Os brasileiros reclamam até hoje e o técnico Cláudio Coutinho chegou a declarar, no fim do torneio, depois de vencer a Itália na decisão do terceiro lugar, com um antológico gol de Nelinho, que o Brasil era o campeão moral da Copa.
África desencanta

Polêmicas à parte, a Copa de 1978 teve muitos momentos marcantes. Na primeira fase, o triunfo da estreante Tunísia sobre o México, por 3 x 1, marcou a primeira vitória de uma seleção africana em Copas do Mundo da FIFA. Também debutante, o Irã conquistou um ponto diante da Escócia, único representante britânico.

Mesmo em outro continente, os europeus mostraram força. A Itália, com nomes como Paolo Rossi e Dino Zoff, impressionou com boas vitórias e um digno quarto lugar, terminando a Copa como o único time que conseguiu vencer os argentinos. 

A Holanda, por sua vez, jogou sem Johan Cruyff, uma ausência que entraria para a história como mais uma das polêmicas da Copa na Argentina. Aclamado como um dos maiores jogadores do planeta, Cruyff decidiu não disputar a Copa de 1978. Na época, muitos consideraram que a motivação do eterno camisa 14 holandês foi a de protestar contra o regime ditatorial argentino.

Outros especularam uma briga com a federação holandesa de futebol. Muito tempo depois, Cruyff disse que um episódio de violência em Barcelona, cidade onde morava com a mulher e três filhos, motivou a decisão. Segundo o craque, homens invadiram sua casa, amarraram sua família e apontaram armas para as cabeças de sua mulher e seus filhos. O crime, ocorrido meses antes da Copa, teria deixado o jogador sem ânimo para disputar o Mundial. 

A Argentina, que não tinha nada a ver com isso, aproveitou. No estádio Monumental de Nuñez completamente lotado, os donos da casa fizeram 3 x 1, com dois de Mario Kempes e levantaram pela primeira vez o cobiçado troféu de campeão do mundo.

Mais sobre a Copa de 1978 no Portal da Copa:

HISTÓRIA DAS COPAS - 1974. * Uma revolução tática O Brasil não conseguiu ao menos fazer lembrar a mágica da seleção de 1970, a Inglaterra sequer se classificou para a Copa do Mundo de 1974 e a Argentina ainda era uma força menor do futebol, mas mesmo assim o Mundial disputado na Alemanha se tornou um marco para o esporte. Tudo por causa de um carrossel.

HISTÓRIA DAS COPAS - 1974
Uma revolução tática
O Brasil não conseguiu ao menos fazer lembrar a mágica da seleção de 1970, a Inglaterra sequer se classificou para a Copa do Mundo de 1974 e a Argentina ainda era uma força menor do futebol, mas mesmo assim o Mundial disputado na Alemanha se tornou um marco para o esporte. Tudo por causa de um carrossel.

Comandados pelo lendário Johan Cruyff, os holandeses voltavam a disputar uma Copa depois de 36 anos. E o retorno foi em grande estilo: apelidada de Laranja Mecânica, a seleção europeia pôs em prática, como jamais havia sido visto, o conceito de futebol total. A premissa tática parece ousada até hoje: os jogadores não tinham posição fixa em campo. Todos deveriam ser capazes de marcar, atacar e armar jogadas, trocando de lugar em velocidade e envolvendo o adversário. É claro que isso exige jogadores acima da média, total entrega tática e muito esforço físico e técnico. E a Holanda contava não apenas com Cruyff, o maestro, mas também tinha nomes como Neeskens, Jansen e Resembrink.

O mentor de tudo isso era o técnico Rinus Michels, que antes havia criado o quase imbatível Ajax do começo dos anos 70. Na Copa, os resultados logo apareceram: 2 x 0 no Uruguai na primeira fase, 4 x 0 na Argentina e 2 x 0 no tricampeão Brasil na segunda fase. Mas havia uma pedra (ou melhor, uma rocha) chamada Beckenbauer no caminho.

Jogando em casa, os alemães ocidentais chegaram a ser vaiados pela própria torcida na primeira fase e demoraram a engrenar. Mas uma vitória sobre a impressionante Polônia, do artilheiro Lato, selou a passagem para a final e mostrou de uma vez por todas a força germânica quatro dias antes da decisão do torneio.

Mas Beckenbauer e seus companheiros eram as zebras diante do Carrossel Holandês. A Holanda havia marcado 14 gols e sofrido apenas um nos seis jogos anteriores e, assim que o jogo começou, partiu para o ataque sem que os alemães tivessem encostado na bola. Cruyff partiu do meio-de-campo e só foi parado na área, por Uli Hoeness: pênalti com um minuto de partida. Coube a Neeskens marcar o primeiro gol de pênalti em uma final de Copa do Mundo.

Os alemães, no entanto, não desistiram. Eles já tinham experiência em vencer seleções mágicas em decisões de Copa do Mundo depois de sair atrás no marcador. Vinte anos antes, a vítima fora a Hungria de Puskas. Em 1974, sobrou para a Holanda de Cruyff. Aos 25 minutos, Bernd Hölzenbein foi derrubado por Wim Jansen na área e Paul Breitner converteu o segundo pênalti do jogo. Depois, coube a Gerd Müller a honra de marcar o gol que garantiu o triunfo. Assim, o capitão Franz Beckenbauer ergueu a nova taça da Copa, já que a Jules Rimet ficou definitivamente para o Brasil em 70.
Vítima da Laranja Mecânica

Sem Pelé, Gérson, Carlos Alberto Torres, Tostão e Clodoaldo, o Brasil nem de longe se parecia com a seleção mágica de 1970, embora também tivesse Zagallo como técnico. Na primeira fase, o time canarinho se classificou em segundo lugar, com dificuldade, depois de empatar sem gols com a Iugoslávia, que passou em primeiro do grupo, e a Escócia, além de vencer o Zaire por 3 x 0 na última rodada.

O Zaire, aliás, merece uma menção especial. Primeiro país da África Subsaariana a disputar uma Copa do Mundo, a nação, hoje chamada de República Democrática do Congo entrou para a história do Mundial graças a um dos lances mais bizarros do futebol em todos os tempos. Na partida contra o Brasil, o juiz anotou uma falta a favor do time canarinho na frente da área da equipe africana. Os jogadores do Zaire se posicionaram na barreira, mas, assim que o árbitro apitou, o zagueiro Ilunga Mwepu saiu correndo e chutou a bola para longe antes que ela fosse posta em jogo pelos brasileiros. Cartão amarelo para um surpreso Mwepu e lugar garantido na história das Copas.

Na segunda fase, o Brasil venceu a Alemanha Oriental e a Argentina, mas acabou como mais uma vítima da Laranja Mecânica e teve de se contentar em disputar o terceiro lugar contra a Polônia. Depois de ser atropelado pelo Carrossel, o time canarinho também não foi páreo para a Polônia e acabou em quarto lugar.

Mais sobre a Copa de 1974 no Portal da Copa: