01

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM

Visite o blog:  NOTÍCIAS PONTO COM
SOMENTE CLICAR NO BANNER -- JORNAL PONTO COM **

terça-feira, 26 de abril de 2011

O BRASIL NA NOVA ORDEM MUNDIAL

TARBALHO REALIZADO POR LUCAS RIBEIRO E ROBERTH L. VOIGT
SÉRIE: 8ª  02  MATUTINA.   


O GOVERNO LULA:
                            
     Nas eleições de 2002, o Partido do Trabalhadores, com algumas variações, teve bom desempenho em todo o país, mesmo nas classes médias, que tradicionalmente temiam as reformas propostas pelos partidos de esquerdas.
     No  governo, Lula seguiu a política econômica de seu antecessor: manter a aflição baixa continuou sendo a principal meta do governo. Os juros alto, o aumento das exportaçôes  e o controle dos gastos públicos permitiram o controle da inflação.
     No terreno púnlico, o governo foi abalado pelas denúncias de currupção envolvendo assessores muito próximos ao presidente e alguns dirigentes do Partido dos Trabalhadores, bem como parlamentares da baes aliada do governo no Congresso.
     No campo social, uma das principais realizações do governo Lula foi a implementação do Bolsa Família, um programa de transferências de renda pelo qual o governo federal concede um benefício mensal em dinheiro para as famílias em situação de pobresa, com renda per capita de até 120 reais mensais.
     O programa Bolsa Família é motivo de grandes discuções. Os defensores argumentaram que a medida permite, gradualmenye, promover a emancipação das famílias mais pobres do país, garantindo-lhes o acesso à verdadeira cidadania. Os críticos, por sua vez, acusam o govrno  de tentar combater a fome  com o programa  assistencialista, não atacando efetivamente a raíz da pobresa no país, que é a falta de empregos , a baixa qualidade do ensino e a fragilidade da nossa  economia.
     No final de 2006, Lula concorreu à reeleição a derrotou, no segundo no segundo turno, Geraldo Alckmin, candidato do PSDB e ex-governador de São Paulo. O primeiro ano do segundo mandato  não apresentou grandes mudanças em relação ao período anterior. Continuaram a seguir denúncias de corrupção, a política econômica manteve o mesmo rumo e as articulações políticas permitiram a construção de uma grande base parlamentar de apoio ao presidente.

MODERNIZAÇÃO ECONÔMICA:

     O brasil mudou muito nas duas últimas décadas do século XX. A aberura da economia às importações, as privatizações e a modernização de alguns setores tiveram desdobramentos imediatos na economia e na sociedade. Alguns setores industriais tiveram muitas dificuldades de vencer a concorrêancia dos produtos estrangeiros, algumas veses  mais baratos e competitivos, como os do setor têxtil, que foi atingido pela entrada  dos tecidos chineses
     Muitas empresas faliramenquanto outras foram obrigadas a se modernizar para  se tornarem competitivas. Nas grandes ciddades e mesmo no interior, as desigualdades sociais tornaram-se mauis visíveis, por exemplo, com as mudanças nos padrões de consumo.Com a abertura comercial, carros passaram a sre vistos com aparelhos eletroeletrônicos crecseu em quase todas as camadas sociais.
    
O BRASIL NO SÉCULO XXI

     As mudanças advindas de inserçao do Brasil na economia global izada trouxeram custos sociais elevados. O desemprego estrutural tornou-sa um sério problema nas cidades, atingindo pricipalmente os tradicionais centros industriais. A economia informal crecseu e muitos sindicatos perderam sua foça, sobretudo pelo medo do desemprego, pela queda da oferta de empregos ou pela extinção de muitas funções, como no setor bancário, em virtude da grande automação. A urbanização se intensificou no país, e nas grandes cidades a violência, a miséria e as desigualdades sociais cresceram.
     De acordo com o Pnad 2007, porém, o número de trabalhadores com carteira assinada no Brasil cresceu passando de 28,8 milhões, em 2005, para 30,1 milhões em 2006, resultado da expansão da atividade econômica no período. A maior oferta de vagas no mercado de trabalho não beneficiou a população mais jovem, na faixa abaixo de 25 anos, que em 2006 tinha menos chances de ocupação profissional que em 1996. Outro dado negativo é que o rendimento médio do trabalhador brasileiro, que em 2006, era 9,4% menor do que o de dez anos antes. A pesquisa também demosntrou que concentração de renda continuava muito elevada. Em 2006, os 10% da população ocupada com renda mais baixa ficava com 1,0% do total dos rendimentos dotrabalho, enquanto os 10% com renda mais elevada representavam 44,4% das remunerações, situação parecida com a de anos enteriores.    

FONTE
MUNDO ESTRANHO
FOTOS ILUSTRATIVAS       
Postar um comentário