Quanto pagamos de Imposto:

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM

Visite o blog:  NOTÍCIAS PONTO COM
SOMENTE CLICAR NO BANNER -- JORNAL PONTO COM **

PENSE NISSO:

PENSE NISSO:

terça-feira, 21 de julho de 2015

COMO A POBREZA PREJUDICA O CÉREBRO DAS CRIANÇAS

COMO A POBREZA PREJUDICA O CÉREBRO DAS CRIANÇAS
Crescer na pobreza é algo que há tempos está ligado a pontuações mais baixas em provas acadêmicas.

E agora há cada vez mais evidências de que isso se deve ao fato de que as crianças podem sofrer consequências físicas reais provocadas por rendas familiares baixas, o que inclui cérebros menos preparados para o aprendizado.

Uma análise de centenas de escaneamentos de cérebros por meio de imagens de ressonância magnética (IRM) apontou que as crianças de famílias pobres tinham quantidades menores de massa cinzenta em áreas do cérebro responsáveis por funções necessárias para o aprendizado, segundo um novo estudo publicado na segunda-feira no JAMA Pediatrics.

A diferença anatômica poderia explicar até 20 por cento da diferença nas pontuações dos testes entre crianças criadas na pobreza e seus pares ricos, segundo a pesquisa.

O estudo aumenta nosso entendimento a respeito da ligação entre renda e realização.

É bem aceita a noção de que, na média, as crianças pobres ficam para trás em relação ao desempenho escolar. Mas os cientistas estão apenas começando a desvendar com precisão o quanto a riqueza afeta o aprendizado.

As crianças de famílias que vivem abaixo da linha federal de pobreza nos EUA — uma renda anual de cerca de US$ 24.000 para uma família de quatro pessoas — tinham volumes de massa cinzenta 7 por cento a 10 por cento mais baixos do que seria esperado para o desenvolvimento normal.

Cerca de 20 por cento das crianças americanas viviam com esse nível de renda em 2013, segundo dados do Escritório do Censo. Diferenças menores se mostraram evidentes entre as famílias consideradas “próximas à pobreza”, que correspondem a 150 por cento do nível de pobreza, atualmente de cerca de US$ 36.000 para uma família de quatro pessoas.



Jardim de infância

As crianças que vivem logo acima do nível “próximo à pobreza” pareceram estatisticamente similares às crianças de famílias muito mais ricas.

“Foi quando começamos realmente a mergulhar na pobreza real, uma pobreza verdadeiramente abjeta, que começamos a enxergar uma diferença”, diz Seth Pollak, professor de Psicologia da Universidade de Wisconsin-Madison e coautor do estudo.

As diferenças ficaram evidentes em crianças de apenas 4 anos, o que significa que elas ocorrem antes do jardim de infância.

A pesquisa pode subestimar o tamanho dos efeitos. Pollak e seus colegas usaram informações e imagens cerebrais de um estudo anterior dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA que monitorou várias centenas de crianças e adolescentes durante diversos anos.

Esse estudo excluiu pessoas com dificuldades de aprendizado, nascimentos prematuros ou históricos familiares de problemas psiquiátricos, porque tinha o objetivo de medir uma linha básica para o desenvolvimento cerebral normal. Como resultado, diz Pollak, a amostra incluiu “as crianças mais saudáveis e robustas que vivem na pobreza”.

A que se devem as diferenças? Pollak suspeita que as crianças pobres “estão recebendo muito pouco das coisas que precisamos para desenvolver o cérebro e bastante das coisas que inibem o crescimento do cérebro”.

Elas podem estar recebendo menos estímulos dos pais ou não estar contando com coisas como giz de cera, livros infantis ou jogos. Ambientes cheios ou lares instáveis podem interromper o sono. Bairros pobres podem não ter mercados com alimentos frescos, o que leva a déficits nutricionais.



Problema médico

Pollak diz que a pesquisa o fez pensar na pobreza como um problema médico, semelhante à exposição à tinta com chumbo e não como uma condição estritamente social. Essa ideia desafia um senso comum americano: “Nós gostamos de acreditar, nos Estados Unidos, que a educação é um equalizador, que todos têm uma oportunidade justa”, diz Pollak.

“Esse estudo é uma espécie de sugestão de que temos algumas crianças chegando ao jardim de infância sem receber uma oportunidade justa”.

Outra pesquisa recente ligou a renda ao desenvolvimento do cérebro.

O jornal científico Nature Neuroscience informou em março que a área da superfície do cérebro estava ligada à renda e que os maiores efeitos eram notados entre as crianças mais pobres.

“Apenas nos últimos anos houve alguma pesquisa sistemática questionando o lado biológico da história”, diz John Gabrieli, neurocientista do Instituto de Tecnologia de Massachusetts que é coautor de outro artigo, publicado em abril, sobre as ligações entre a massa cinzenta, a renda e as pontuações em testes. Ele não participou da pesquisa de Pollak.

Gabrieli alerta que as diferenças no desenvolvimento não significam que os estudantes mais pobres não recuperarão o tempo perdido sob as circunstâncias corretas.

“Temos evidências muito fortes de que há muito espaço para a plasticidade cerebral ao longo de todo o caminho até a vida adulta”, diz ele.







Foto: Nikhil Gangavane / Thinkstock
Fonte: Exame.abril
Postar um comentário