Quanto pagamos de Imposto:

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM

Visite o blog:  NOTÍCIAS PONTO COM
SOMENTE CLICAR NO BANNER -- JORNAL PONTO COM **

PENSE NISSO:

PENSE NISSO:

sábado, 13 de junho de 2015

GENE DA OBESIDADE ESTÁ ASSOCIADO À QUEIMA DE ENERGIA

GENE DA OBESIDADE ESTÁ ASSOCIADO À QUEIMA DE ENERGIA

Verdades científicas sobre a obesidade! Gene do problema está associado à queima de energia

Texto Sílvia Dalpicolo / Ilustração: Roberto Weigand
Gene da Obesidade
Ilustração: Roberto Weigand
Fato que os cientistas conhecem é que existem mais de 100 genes associados ao peso corporal. Eles atuam principalmente pelo sistema nervoso (em especial no hipotálamo e no tronco cerebral) e afetam alguns aspectos da ingestão alimentar e dogasto energético. Mas o que Rudolph L. Leibel, da divisão de Genética Molecular na Universidade de Columbia, nos EUA, descobriu é que em algumas populações acontecem mutações de um gene em especial: o melanocortin-4 receptor (MC4R). Esse gene atua no cérebro, transmitindo sinais para a diminuição da ingestão alimentar e o aumento do gasto energético. Em outras palavras: quando ele para de agir corretamente, há um desequilíbrio e o resultado são quilos a mais na certa.“A combinação dos genes, sua ação no organismo e muitas outras variáveistêm influência no tipo físico e no peso do indivíduo. Mesmo quando há predisposição genética ao aumento de peso, a combinação de outros fatores pode impedir que ela prevaleça”, ressalta Ricardo Abdalla.
“Os genes podem determinar o gosto por atividade física, maior ou menoração do metabolismo e controle da fome”, garante Daniel Lerário.Sobre a possibilidade de mudar a ação genética em prol do peso ideal, Lerário não descarta a hipótese. “Talvez seja difícil modificar os genes, mas a ciência descobrirá aos poucos o que leva as pessoas a engordar e, assim, criará mais alternativas terapêuticas.”Para o endocrinologista Luciano Giacaglia, enquanto esperamos pelas novas descobertas, “é preciso investir em hábitos saudáveis e cuidar muito bem da alimentação.”
Revista VivaSaúde/ Edição 71
Postar um comentário